Prêmio Rio Sociocultural - 4ª Edição

Fique por dentro de tudo o que acontece no Prêmio Rio Sociocultural, nos seguindo: Facebook Twitter

Prêmio Rio Sociocultural 2010

10 Finalistas

1. MacacuCine VENCEDORA
Filipe Gonçalves de Assis – Cachoeiras de Macacu

Com o objetivo de revolucionar a maneira como o cinema é utilizado e visto nas escolas públicas, o projeto MacacuCine oferece aos alunos oficiais de audiovisual que os auxiliam no processo de criação, filmagem e edição dos vídeos. No Festival que ocorre anualmente, esses curtas são avaliados e premiados na Mostra Competitiva de Curtas Escolares. As edições ainda contam com a exibição de filmes de diretores consagrados em praça pública e centros culturais de Cachoeiras de Macacu.

2. Gotta: Os Intérpretes da Alegria VENCEDORA
Ana Souza – Campos dos Goytacazes

Uma mistura de literatura e teatro, o projeto ensina técnicas de contação de histórias para crianças de baixa renda. Realizado desde 2009 em uma escola municipal da cidade, é formado por um grupo de alunos que contam histórias em praças públicas. Além de estudarem as histórias que serão apresentadas, os alunos estudam também a biografia dos respectivos autores e preparam figurino e cenário para cada apresentação.

3. Um Passeio na História
Diuner José Melo da Silva – Paraty

Criado com o foco na inclusão social do povo de Paraty, trata-se de um espetáculo teatral itinerante que conta a história da cidade através de um passeio pelas ruas do Centro Histórico. O elenco não é formado por atores profissionais, mas sim por garçons, donas de casa, guias de turismo, recepcionistas de hotel, garçons, microempresários e estudantes da região, que se caracterizam como personagens dos séculos XVII, XVIII e XIX para contar a história da cidade de forma lúdica e didática.

4. Projeto Circo Baixada VENCEDORA
Nilcelene Moreira da Silva Costa – Queimados

Surgiu a partir de uma pesquisa realizada em 2002 dando conta de que parte significativa das crianças em situação de rua no Rio de Janeiro eram provenientes da baixada fluminense e que Queimados tinha o pior IDH da região. O trabalho, realizado de segunda a sexta-feira, é baseado na arte-educação. Crianças e jovens aprendem técnicas de circo, dança e teatro e fazem apresentações anuais em praças e teatros das proximidades. O objetivo não é transformar os meninos em artistas, mas mostrar que eles têm outras formas de se expressar, através da arte e da cultura.

5. Sociedade Musical Camerata Rioflorense VENCEDORA
Dimas Gabriel – Rio das Flores

Criada em 2006, tem como objetivo promover a inclusão social de através da música de concerto. São oferecidas aulas de canto orfeônico, violão popular e coral para senhoras na sede, além de uma fanfarra cujos ensaios acontecem nos Cieps. Pensando em criar oportunidades de emprego e renda, a Camerata Rioflorense também oferece oficinas de luthieria, para aqueles interessados em construir, restaurar, reformar, e afinar instrumentos musicais de corda, sopro ou percussão.

6. Centro de Ópera Popular de Acari
Avamar Filgueira Pantoja – Rio de Janeiro

Realizado desde 2000 no bairro de Acari, este projeto tem como objetivo final montar uma companhia brasileira de ópera. Para isso, mantém oficinas profissionalizantes de canto, balé clássico, violão, flauta, teclado, violino, musicalização para crianças, entre outros cursos que formarão artistas e técnicos para trabalharem em conjunto para a realização da ópera. O projeto é realizado em instituições do bairro como igrejas, escolas públicas e particulares, e atende a crianças, jovens e adultos.

7. Primeiros Traços - Escola de Cartoon
Alexandre Rodrigues Marques – Rio de Janeiro

Localizada há 15 anos no bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro, a escola promove oficinas de cartoon, quadrinhos, mangá, criação de personagens, ilustração, entre outros cursos ligados à criação gráfica e editorial. O projeto oferece anualmente vagas para jovens matriculados no ensino fundamental e médio e este ano vai lançar a primeira produção editorial feita pelos alunos: um álbum ilustrado sobre a infância de Machado de Assis.

8. Vagão da Leitura
Vivian May De Sant'anna – Vassouras

Uma sala de leitura instalada em um antigo vagão de trem, cedido pela Rede Ferroviária Federal. É neste ambiente que funciona desde 2006 o projeto Vagão de Leitura, onde são realizadas apresentações de teatro de fantoches, contação de histórias, trabalhos artísticos de reciclagem, etc. O acervo, obtido por meio de doações, conta com aproximadamente 300 livros, incluindo exemplares em braile.

9. A Fotografia como Inclusão Social
Karine Monteiro Valente – Volta Redonda

Um dos clubes de fotografia amadora mais importante das décadas de 50, 60 e 70, está em funcionamento há 57 anos e conta com um acervo de mais de cem mil imagens do sindicalismo brasileiro. Em 2009, a instituição virou Ponto de Cultura e, no ano seguinte, formou centenas de alunos. O público-alvo são jovens da rede pública de ensino e idosos em risco social. Eles contam com aulas de história da fotografia, técnicas de revelação e laboratório, além de participarem de palestras, exposições e concursos fotográficos cujas fotos viram postais.

10. Criando Cultura Produzindo Sonhos VENCEDORA
Marco Aurélio Soares Alves – Volta Redonda

O projeto estimula o auto-conhecimento dos alunos, aliando dança, música, audiovisual e teatro através um vasto catálogo de dinâmicas criadas a partir da metodologia de Paulo Freire. Os núcleos de atuação, batizados de “Fábricas dos Sonhos”, estão localizados em bairros periféricos de Barra Mansa, Volta Redonda e Resende. Cada um desses núcleos atende anualmente meninas e meninos entre 12 e 18 anos. Cada grupo permanece no projeto 12 meses. O aluno, não necessariamente, vai sair como músico, ator ou bailarino, mas certamente como cidadão.

Prêmio Empreendedor Sociocultural 2010

Projeto Circo Baixada
Nilcelene Moreira da Silva Costa – Queimados

Surgiu a partir de uma pesquisa realizada em 2002 dando conta de que parte significativa das crianças em situação de rua no Rio de Janeiro eram provenientes da baixada fluminense e que Queimados tinha o pior IDH da região. O trabalho, realizado de segunda a sexta-feira, é baseado na arte-educação. Crianças e jovens aprendem técnicas de circo, dança e teatro e fazem apresentações anuais em praças e teatros das proximidades. O objetivo não é transformar os meninos em artistas, mas mostrar que eles têm outras formas de se expressar, através da arte e da cultura.

Agência de Mídia Livre
Victor Ribeiro - Rio de Janeiro

É uma plataforma colaborativa de produção e difusão de conteúdo cultural, que utiliza ferramentas e suportes de baixo custo como site, rádio e TV digitais para a construção de uma comunicação livre e participativa. O objetivo é democratizar a comunicação e o acesso às ferramentas de produção de informação, fomentar agências de comunicação em territórios com baixo índice de desenvolvimento e fortalecer lideranças juvenis e culturais.

Núcleo de Educação e Cultura Fundição de Paz e Progresso
Maurício Marques Santos – Rio de Janeiro

Projeto que oferece uma imersão artística para estudantes de escolas da Rede Pública de Ensino, com oficinas de música, teatro, graffiti, circo, filosofia e cenografia para alunos de 1º e 2º ano do ensino médio. A iniciativa envolve a comunidade de artistas e educadores que atuam na Fundição Progresso e estabelece uma ponte entre os jovens, a escola e o centro cultural. O objetivo é apresentar produtos culturais, identificar aptidões, desenvolver talentos, promovendo a inserção dessa produção no cenário cultural da cidade e, quando possível, encaminhá-los à profissionalização e ao mercado de trabalho.

Solar Meninos de Luz
Iolanda Maltaroli de Moraes Rego – Rio de Janeiro

Esta organização civil e filantrópica atua desde 1991 nas comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, promovendo educação formal e complementar, cultura, esportes e cuidados básicos de saúde. A sustentabilidade é obtida com doações de pessoas físicas, apoio e parcerias com empresas públicas e privadas, organizações sociais, campanhas pontuais, e pela comercialização de produtos doados em bazares beneficentes.

PIM – Programa Integração pela Música
Célia de Fátima Pinheiro Moreira – Vassouras

O incentivo à promoção da integração, a mobilização de ações comunitárias, culturais, educacionais e sócio políticas e o incentivo às relações étnico-raciais são marcas desse programa, que há 8 anos para o desenvolvimento sócio-econômico do Vale do Paraíba Fluminense. Criado pelo maestro Cláudio Moreira, em 2000, o Pim conta com 39 crianças e um professor voluntário, e à população local vivências cooperativas em torno do acesso à cultura, educação e cidadania, através do estudo musical.

Fotos