Prêmio Rio Sociocultural - 4ª Edição

Fique por dentro de tudo o que acontece no Prêmio Rio Sociocultural, nos seguindo: Facebook Twitter

Prêmio Rio Sociocultural 2009

10 Finalistas

1. Orquestra Sinfônica de Angra dos Reis - OSAR
Karla Adriana Barboza Coelho – Angra dos Reis

Planejar, coordenar e implantar programas, projetos e atividades musicais de ação permanente, que visem à profissionalização dos músicos, formando agentes multiplicadores para atuarem em polos de ensino de música nas comunidades, bem como criando outros projetos sociais na área de educação musical em Angra dos Reis e entorno. Sendo o primeiro projeto dedicado à música instrumental erudita no município, a orquestra tem, já no seu segundo ano de atuação, 80 componentes, de 16 a 25 anos.

2. Projeto Sala de Leitura de Rio Preto
Victoria Isaura Chrysóstomo de Oliveira Moura – Campo dos Goytacazes

Estimular o hábito da leitura entre jovens da região do Distrito de Morangaba, motivar o ingresso e permanência na educação formal, implementar estratégias de ocupação saudável para as crianças e adolescentes, desenvolver a expressão oral e prestar assessoria à geração de renda, junto aos familiares. A ação beneficia diretamente 300 jovens na faixa de 10 a 18 anos. O espaço, uma casa de dois cômodos, com acervo de mais de 2 mil títulos, é mantido pela própria idealizadora da ação, com recursos próprios.

3. Oleiros e Olarias - Tradição da Arte Cerâmica de Itaboraí
Dora Hees de Negreiros – Itaboraí

Resgatar e promover a cultura do barro de Itaboraí, através do aperfeiçoamento da produção cerâmica artesanal, da criação de bases para o associativismo da classe de artesãos e do desenvolvimento da atividade turística no sítio histórico. A ação inventariou e sistematizou a produção cerâmica artesanal da região, com a compilação e edição de um diversificado acervo de informações. Foram beneficiados diretamente cerca de 80 artesãos.

4. Bordando o Futuro VENCEDORA
Maria Alice França de Oliveira – Itaperuna

Resgatar e difundir o trabalho manual tradicional proporcionando a inclusão social através do bordado. A ação fornece instrução às interessadas que não conhecem o ofício, intermediando sua atuação com a indústria de confecção que floresce em Itaperuna. Iniciada em 2004, hoje se distribui em três núcleos, atendendo diferentes comunidades. Além de integrar várias gerações através do trabalho artístico e promover a reutilização de restos e retalhos, Bordando o Futuro proporciona renda às participantes, de 09 a 80 anos, contabilizando hoje 120 bordadeiras.

5. Aprendiz - Música na Escola / Orquestra Jovem de Niterói
Marco Sabino Braga Ferreira – Niterói

Levar às vidas dos alunos e de suas famílias o universo da arte, cultura e realização plena de cidadania. Nas escolas atendidas, a musicalização é matéria obrigatória. A ação envolve cerca de 4.000 alunos de dez escolas da rede pública, do primeiro ao nono ano. Alunos e professores se enriquecem com a experiência. Em 2006, foi fundada a Orquestra Jovem de Niterói, para dar aos alunos que apresentam interesse e aptidão musical a oportunidade de se dedicar a um estudo mais aprofundado e obter melhor perspectiva de desenvolvimento profissional.

6. ONG TemQuemQueira VENCEDORA
Adriana Salomão Duque Estrada Meyer – Niterói

Reaproveitar lonas vinílicas utilizadas em material publicitário – outdoors, banners, fundos de palco – que levam de 100 a 400 anos para se decompor. Este material, fruto de doação de parceiros, é transformado em produtos como bolsas, estojos e carteiras. A produção é feita por detentos do sistema prisional, capacitados pela ONG para este fim. TemQuemQueira já retirou de circulação mais de 100 mil m² de lonas, dando oportunidade a cerca de 20 detentos.

7. A Formação do Leitor e a Democratização da Literatura Infanto-Juvenil para Crianças Portadoras de Deficiência Visual ou Baixa Visão Através do Rádio VENCEDORA
Fernanda de Azevedo Milanez – Nova Friburgo

Ofertar literatura de qualidade para crianças cegas ou com baixa visão, através de fitas cassete e CDs com a gravação dos programas radiofônicos infantis, que vão ao ar e são enviados gratuitamente pelos correios para as audiotecas espalhadas pelo país. Ouvintes voluntárias – crianças, adolescentes e professoras – encontram-se para ensaiar, praticar a leitura e gravar histórias escolhidas. O acervo já conta com 600 títulos gravados. São beneficiados aproximadamente 30 mil crianças e adolescentes: os que ouvem e os que praticam a leitura, enriquecendo suas potencialidades e exercitando a cidadania.

8. Casa de Artes Machadinha VENCEDORA
Armando Cinha Carneiro da Silva – Quissamã

Proporcionar inclusão social e geração de renda para a comunidade quilombola da Fazenda Machadinha. Com o restauro e adaptação das edificações originais, criou-se a oportunidade para o fomento do turismo cultural, empregando 26 pessoas diretamente na Casa de Artes, além dos 60 artesãos expondo e vendendo suas obras, 50 participantes de grupos folclóricos do Jongo e do Fado e renda adicional para a agroindústria familiar que fornece desde ingredientes até passeios a cavalo. Em um ano, mais de 4.000 pessoas visitaram as Casa de Artes, gerando uma renda estimada em 150 mil reais para a comunidade.

9. Spectaculu – Escola de Arte e Tecnologia VENCEDORA
Waldimir Cardia Junior - Rio de Janeiro

Integrar jovens em situação de risco através da arte, capacitando-os numa profissão ligada às áreas de espetáculos, da imagem e da tecnologia, mobilizando as diversas classes de diretores e produtores para inserir aos poucos o adolescente no mercado de trabalho. A instituição ainda proporciona o acesso dos beneficiados aos bens culturais e de lazer. A Spectaculu já beneficiou mais de 1.320 jovens, gerando mais de 1.600 postos de trabalho.

10. Escola Audiovisual Cinema Nosso
Luis Carlos Lomenha do Nascimento – Rio de Janeiro

Integrar as Tecnologias de Informação e Comunicação, oferecendo oficinas de Cinema e Cinema de Animação para 120 estudantes de 15 a 20 anos e 60 professores da rede pública. Os alunos participam como protagonistas da ação: aprendem a manusear as ferramentas audiovisuais para a realização de um filme, produzindo narrativas a partir de um ponto de vista próprio. Associam-se às oficinas encontros mensais, na sala de exibição, destinados a fomentar o debate sobre mídia e educação.

Destaque SEBRAE
Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu
Cristiane Braz de Souza Duarte

Pensar a cidade a partir da capacitação em audiovisual, estimulando o processo de aprendizagem, levando ao reconhecimento territorial e pertencimento social.

Fotos